_NOSCRIPT

Portal do Governo Brasileiro
canal-ciencia

Busca Avançada

Louis Pasteur: vida, obra e descobertas

Louis Pasteur

Louis Pasteur, nascido em 1822 em Dole, França, foi um químico que revolucionou os métodos de combate às infecções. Suas descobertas científicas tiveram um impacto imenso na medicina e seus trabalhos deram início ao que chamamos hoje de microbiologia. A importância de Pasteur do ponto de vista teórico é notável, pois ele respondeu a importantes indagações sobre o ciclo da vida e da morte na natureza, ao considerar os fenômenos da fermentação e da putrefação.

Desde cedo, Pasteur manifestava interesse pela ciência, tanto que no Colégio de Arbois, cursando o secundário, construiu um relógio solar, em 1839. Após licenciar-se, passou a ter acesso às aulas de um grande químico francês na época chamado Jean Baptiste Dumas. A partir daí, ele começou a se interessar muito pela química e logo se tornou professor em Estrasburgo e, algum tempo depois, em Paris.
Em 1847, Pasteur, com apenas 26 anos, realizou seu primeiro trabalho que já revolucionou o que hoje conhecemos por estereoquímica. No mesmo ano, recebeu a concessão da “Légion d`Honneur Francesa".

Apesar de ter desenvolvido estudos importantes para a ciência, foi a realização de pesquisas sobre as doenças infecciosas que fez a carreira do cientista ascender de modo mais significativo.

Uma das teorias mais importantes na história da medicina – a Teoria Germinal das doenças infecciosas - foi proposta por ele. A teoria que diz que a maioria dessas doenças é causada por germes. O químico estudou e identificou inúmeros micróbios responsáveis por várias doenças infecciosas e chegou a desenvolver vários métodos e técnicas para combate-los agentes infecciosos.

Por meio dos seus trabalhos sobre fermentação, Pasteur foi capaz de estabelecer as noções básicas de esterilização e assepsia, com consequências na prevenção de contaminações e infecções na cirurgia e obstetrícia.

Em 1865, Pasteur começou um estudo sobre a doença do bicho da seda que estava dando imensos prejuízos aos fabricantes do tecido na França. Em sua pesquisa, o químico descobriu o agente infeccioso e também a maneira como esse agente era transmitido e inclusive como prevenir.

Graças às suas pesquisas e sua habilidade de estudar e aprender com o conhecimento existente, o químico ascendeu sistematicamente, tornando-se diretor do Museu de História Natural de Rouen em 1862 e membro da Academia de Ciências no mesmo ano.

Cada vez mais engajado em pesquisas de doenças infecciosas, o químico descobriu três bactérias responsáveis por doenças nos homens: estafilococos, estreptococos e pneumococos. Outra contribuição muito importante dada por Pasteur foi a descoberta do agente transmissor da raiva que na época não podia ser visto no microscópio, mostrando assim o mundo dos vírus.

Os trabalhos do químico francês representaram uma revolução na metodologia científica e uma das principais características que marcaram o seu legado e ficaram de herança para a Ciência foram a liberdade de pensamento na utilização da imaginação e criatividade e a necessidade de uma experimentação rigorosa. Pasteur dizia “não prossiga em seus trabalhos se você não pode prová-los com a experimentação”.

Em 1886, Pasteur apresentou os resultados para o tratamento da raiva na Academia de Ciências Francesa e foi convidado a criar um centro para produção de vacina antirrábica. O Instituto Pasteur foi então idealizado e em 1888 foi inaugurado para ser um centro de tratamento da raiva, de doenças infecciosas e educação. O cientista trabalhou até 1895 e veio a falecer no mesmo ano em Villeneuve-L'Etang, sendo e foi  sepultado no Instituto Pasteur, em Paris.

Conhecido por seu caráter humanista, todo trabalho de Pasteur foi desenvolvido com o intuito de melhorar a condição humana. Tido com um benfeitor da humanidade, seus esforços mudaram o mundo, por isso é um dos mais reconhecidos cientistas da história.

Frases:

“Um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima."

"O acaso só favorece a mente preparada."

"Qualquer criança me desperta dois sentimentos: ternura pelo que ela é e respeito pelo que poderá vir a ser."